sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Kohinoorgasm, azaadi

Ainda estou definindo qual a função desse blog, já que estou enchendo ele de imagens.

A fotografia de um filme pode ser percebida boa ou ruim quando pausamos cada segundo de cena e aquela imagem é boa, e bonita. Quer dizer, é como em Her, ou em Mad Max. A fotografia é como uma foto com movimento e som que dura alguns instantes. Tenho percebido ultimamente um estilo de fazer vídeo de música que foi estonteante no clipe da Solange, em que cada cena é uma foto com pequenos movimentos, como se cada pequena cena pudesse estar em uma galeria de arte. Assim como esse clipe dessa cantora, Josephine Shetty, que mistura a língua indiana com o inglês para representar sua cultura. 
 
 
 
 
 
 

O cabelo é o ponto central, numa música que fala sobre liberdade. Quando começou uma onde afogante de alisadores de cachos, imediatamente, eu senti amor pelos meus de maneira que eles deixaram de significar algo que eu deveria manter arrumado e deveria deixá-lo como quisesse porque ele significava alguma coisa. Antes de todo essa propaganda de métodos milagrosos para ter cachos bonitos, eu já tinha certeza que ter cacho era ter uma coroa, era ter beleza, não falando por mim, mas por todas as pessoas com cabelo natural que não tratam isso como um problema, ou como algo que deva ser curado para esperar certa interpretação sobre sua identidade. 
Whether we are using our hair or hairstyle to establish our freedom of expression, or whether our hair or hairstyle is being policed by others, it is a site at which our freedom is observed.
- Josephine Shetty, para Rookie
 
 
 
 
 

Nenhum comentário: