quarta-feira, 13 de maio de 2015

(untitled)

Amor, 
você pediu pra eu e escrever e eu até te entendo que eu deva escrever, porque eu adoro escrever sinceramente, adoro de todas as formas. Poderia digitar por horas e horas e horas. . . 
Eu também tenho medo, tenho medo que você se perca em você mesmo, que as suas ideias te inundem e você ache a tristeza algo bom e eu acabe perdendo o meu arthuzinho alegre que eu amo. Eu amo. Como sei que eu amo? Porque eu fico imaginando como era minha vida antes de você e parece que você inundou tudo, porque automaticamente eu ligo a você; qualquer imagem minha no futuro está ligada a você. Amor, meu querido, é quando a gente sente pela pessoa uma admiração, um carinho, um sentimento de "não vou nunca te fazer mal", uma sensação de "eu me sinto bem perto de você", algo como "eu queria que você nunca saísse da minha vida". Amor é sentimento, é vontade, é pensamento, é isso. É algo maravilhoso e é tudo o que precisamos, porque é algo calmo, não é sofrimento, não é desespero, amr não é saudade, amor é espera, amor é paciência e tranquilidade. Eu, as vezes, sinto que você não sente o amor que eu sinto, o seu amor é diferente. Poderia usar algumas palavras para descrever o teu amor? 


(poste no seu blog as palavras que eu vou entender)


O amor, Arthuzinho, tem que ser paciente (talvez no sentido de esperar, de ter calma, de por exemplo, se você não está perto de mim agora eu vou ter paciência e esperar até que chegue o momento oportuno de ver você. Se você chegou no horário marcado e eu não, você vai aguardar com calma, porque você sabe que eu vou chegar. e só isso já é amor), o amor tem que ser bondoso também (nunca desejar o mal, de uma forma que eu jamais vou fazer nada querendo seu mal, nunca vou pensar em te magoar ou falar algo esperando que você se machuque, jamais. Assim como eu sei que você nunca faz nada por mal, nunca quer me magoar, nunca), o amor nunca arde de ciúmes (por que eu teria ciúmes se eu te amo sem egoísmo? Te amo e isso já me faz feliz, fico mais feliz ainda por saber que você me ama, enquanto você me amar será uma imensa festa. Não quero sofrer de ciúmes, ciúmes é uma dor, e nós não estamos aqui para ter ciúmes só por egoísmo, isso é coisa de adulto que só pensa em si mesmo, e nós somos crianças que sabemos o que a vida é - quando você entender o pequeno príncipe vai saber). O amor não é orgulhoso, nem sente vaidade e muito menos fica contando vantagem pras pessoas (quando se ama, só se ama, não precisa falar pra ninguém, porque interessa só que você sinta e isso é o que importa, ninguém tem que saber). O amor é acima de tudo educado (o amor é uma pessoa que sabe a hora de falar e de calar, e acima de tudo, sabe o que falar. O amor não é inconveniente da forma que grita, tenta chamar atenção ou faz as pessoas se sentirem desconfortáveis; muito pelo contrário, o amor é uma instância de conforto e boa educação, todos gostam de ficar próximos a pessoas educadas). O amor não é egoísta (jamais vai pensar em si mesmo, aliás amar é totalmente o oposto disso, amar é justamente pensar no outro com alegria e um desejo de querer ver o outro bem, apesar de tudo), é nunca se irritar (porque se tem paciência e compreensão) e principalmente nunca guardar mágoa, mágoa é algo que não tem nada a ver com o amor (se alguma vez alguém que você ama fez algo que te deixou triste, você perdoa e esquece, esquece mesmo, porque é algo passado, as pessoas aprendem com os erros e o amor é um curativo definitivo). Quem ama nunca se alegra com a injustiça ou com o que é mal, na verdade se alegra muito com o que há de bom e luta pela verdade e pelo que é decente. Quem ama sofre o que for preciso, crê em todas as promessas, espera com alegria o tempo que for, suporta qualquer dificuldade, sem ver tudo isso, necessariamente, como algo penoso, no fundo vê qualquer dificuldade vencida por amor como algo bom. E é. O amor é paz e tranquilidade, amar não é se humilhar ou delirar, não é se machucar, nem cobrar, amar é amar, é felicidade, é valorização. Amor é tudo o que temos na vida, com o qual construímos e tudo e sem o qual não teríamos nada, nem a vida.