quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Só porque pediu eu tirei isso do fundo do nosso mar.

A vontade de te chamar de "homem" vem muito além da vontade de te chamar de "meu". A vontade de dizer "eu amo você" vem muito atrás da vontade de dizer "sou sua". Mas nada se compara a enorme vontade de dizer "consegui voltar no tempo". Voltar no tempo e não desperdiçar a chance de olhar fundo em seus olhos e me perder no infinito deles, porque é, ou era, a visão mais perfeita que eu tinha.
Agora a nossa trilha sonora deveria ser "Barcarolle", porque agora nós estamos tão distantes que tudo acontece em sonho. Um sonho que estamos juntos, não juntos de verdade, mas literalmente abraçados, assim dançamos lentamente e olhamos um para o outro como se tivesse algo mais a se descobrir, como se houvesse algo mais a se sentir. Seu abraço, que eu nunca tive a chance de sentir como é a força que tem o aperto dos seus braços ou como é quente o calor que sai de sua pele. Mas em sonho eu sinto isso, em sonho o seu abraço é inigualável.
Eu não preciso de um filme romântico, ou de um conto de fadas bem contado; preciso apenas de você, meu homem, porque você me faz sentir como uma utopia realizada e assim completa.
Por mais que eu finja, fuja e fale que não, é em você que eu penso quando vejo aquele filme bobo que agora não faz mais sentido, porque não tem você para me mandar parar. É você que vem em minha mente quando eu vejo aquele casal bonito, porque eu sei que talvez nós não seríamos um, porque eu sei que talvez não seja eu que farei você sentir-se amado de verdade, porque eu acho que você nunca tenha sido de verdade para cortar os pulsos.
O meu infinito era seu olhar, que as vezes ficava vazio, mas ainda assim fixos em qualquer lugar. Teu olhar, meu menino. Seus olhos fixos em mim me levavam a um lugar ao qual eu sempre quis estar, um lugar onde eu desejo até hoje, morar lá, ficar lá esperando que em algum momento você me acorde da utopia com aquele beijo indescritível que você tem. Não que eu tenha provado do sabor dele, mas em meu sonho o fazia. Em meu sonho, o melhor sonho, você descobria os lugares mais secretos de mim enquanto me entorpecia com seu beijo que era frio e quente, salgado e doce. Eu dizia a cada segundo que te amava porque eu queria ouvir você dizer isso também, meu garoto. Mas você não dizia nada e eu fiquei feliz demais em apenas estarmos ali. Mas de súbito eu acordara.
Eu não queria acordar, queria ir para a segunda parte do sonho. Porque para mim nós deveríamos ter participado de um filme, nós até participamos, mas ele ficou sem fim e a câmera ainda está filmando e filmando... E as pessoas na sala do cinema (que inclusive são poucas) ainda estão lá esperando que a dita cena de "filmes românticos" aconteça, mas todos já perceberam que o diretor do filme errou ao não escrever um bom fim para estória. A pipoca dos poucos expectadores já acabou e ele estão saindo da sala, porque ao que tudo indica, nós não fazemos mais parte do filme.  Mas eu ainda estou esperando que a última cena aconteça e que os créditos finais possam aparecer, mesmo que você não esteja ao meu lado para ver isso.
Nossas conversas não tinham começo nem fim, porque na maior parte do tempo eu estava calada olhando você se cansar de esperar que eu levantasse para dizer que naquele instante eu estava pronta. Mas eu não estava, porque eu precisava de que alguma coisa me fizesse crescer, e eu penso que agora, talvez, seja a hora certa. Porque eu me sinto pronta, meu homem.  Eu estou esperando o momento em que possamos rir de tudo e nada, o momento em que mergulharemos juntos na imensidão de um mar azul, para eu poder te ver em câmera lenta, em segundos eternos. Eternos segundos que agora talvez não façam mais sentido algum. Não precisa fazer sentido, não precisa ter explicação, porque o tempo vem me dizendo há dias que tudo é verdadeiro.
A poesia ainda não sai da minha cabeça, porque ela me diz que é verdade: "Deixa pra lá! Que de nada adianta esse papo de: Agora não dá! Que eu te quero é agora, não posso nem vou te esperar, que esse papo de tempo nunca funcionou com nós dois.  Sempre que der mande um sinal de vida de onde estiver dessa vez, qualquer coisa que faça eu pensar que você está bem, ou deitado nos braços de outra qualquer, que é melhor do que sofrer de saudade de mim como "eu tô" de você. Que essa dor eu não quero pra ninguém no mundo imagina só pra você. Quero é te ver dando a volta no mundo indo atrás de você, e rezando pra algum dia você perceber que o que falta em você sou eu." Mas a música só tocou na hora errada.
As fotos que nunca tiramos são as mais lindas, porque são secretas. Secretas porque elas grudaram em mim como tatuagem e eu sei que em você também. As fotos são lindas, encantadoras e me pertubam incessantemente, porque elas têm sede de realidade. Assim como nossos beijos, os beijos que nunca demos são os melhores. Eu sei que eles também te pertubam às vezes, assim como fazem comigo. Mas comigo a situação piora, porque eles me iludem a torná-los reais, mas geralmente ele quase me fazem acreditar que é verdade quando declamam "Mesmo quando a boca cala o corpo quer falar. Esses gestos incompletos, olhos tão repletos de te desejar, o direito de ir e vir, o desejo de ficar. Tudo isso pra dizer que eu não sei dizer onde é que isso vai dar, eu não mando no querer, aliás, é o querer que quer me governar. Hoje eu vivo pra dizer, eu digo pra viver, você é meu lugar". As cartas que nunca escrevemos são lindas, porque nelas você demonstra o quanto me ama e com é bom passar qualquer segundo que seja comigo, mas elas são cheias de poucas palavras e estão jogadas no lugar mais obscuro da lixeira do seu pensamento. As juras de amor que não fizemos são apaixonantes, porque elas expressam exatamente como nos sentimos.
Mas é ilusão, utopia ou qualquer coisa que tenha um mesmo fim. Aquilo que você não me diz me mostra com seu corpo, que em silêncio dança pra mim.  Você me adora, eu vejo através de seus olhos o menino que puxa o gatilho do coração sem saber o nome do que pratica. Você me adora e eu me gratifico só com os olho que eu vejo. Você tem medo de dizer que me ama, aperta minha mão e me chama de amiga.
Meu homem, meu garoto, você foi meu tudo. Eu não me lembro bem se te amei ou se apenas me apaixonei, mas foi tão intenso, tão bom. Depois de eu ter tentado esquecer tudo, inclusive seus olhos, eu tornei a sonhar contigo, o melhor sonho que poderia ter durante séculos, porque em meu sonho você era meu; meu menino, meu homem.
Se o amor não nos quiser, então azar do amor, não soube nos amar.


Escrito em 3/08/2010

Nenhum comentário: