quinta-feira, 19 de abril de 2012

"faz o que tu faz de melhor: escreve"

não se preocupa, ninguém lê aqui. 
Sabe porque eu gosto de você? Porque eu vejo em você uma inocência tão grande, calma, não é inocência da vida nem nada; é como se você não soubesse nada de tudo o que eu sei e eu sinto uma vontade imensa de te ensinar tudo isso. Mas eu descobri isso agora, depois que eu fiquei segundos [ou foram três mil anos?] encostada no teu peito ouvindo aquilo que é tão bonito... assim... rápido e combinado...  vivo... que me dá uma vontade tão grande de ouvir essa música até o final, até que ela pare de tocar dentro de você. Mas eu gostava de você antes e eu não vejo muito um motivo pra isso, até porque eu já sabia que quando eu ficasse apaixonada seria por motivo nenhum se não por um muito bobo, mas muito bom. o seu cheiro que é singular. o seu abraço que é grande. o seu carinho que é imenso. o seu eu que é pequeno. Eu penso nisso toda hora, fico até reclamando comigo por não conseguir me concentrar em mais nada, mas eu já sabia disso, eu já sabia que quando me apaixonasse ia ficar doente assim que nem eu to. Eu só não sabia que o melhor disso era você cuidar de mim, com seu cuidado, embora ultimamente eu não tenha me esforçado nada pra te mostrar a moça delicada que eu realmente sou, mas acho que você viu esse meu pedaço e eu te devo isso, eu me sinto na obrigação de te dar essa parte que você viu em mim, porque só você viu. 
Pronto, você já sabe o que se passa aqui dentro de mim, agora só precisa saber o que "impede" a gente. Arthur, eu tenho medo de me perder em você, sabe? Eu tenho medo de entrar de cabeça nisso e acabar ficando diferente, acabar não gostando mais, não querendo mais e fazendo você ficar mal e nossa, eu não quero te magoar nunca mais, parece até que quando alguém te belisca no braço eu sinto alguém me cutucando no rosto. Eu não sinto vindo de você o que sai de mim, mas mesmo assim eu gosto de ficar perto, de ficar abraçada todo tempo, mas isso ai é o gato, né? As vezes eu penso até que, poxa, eu realmente posso tá te enrolando e te levando no papo, sei lá, nem sei o que é fazer isso, mas eu também não quero te dizer não, mas ainda não é um sim. até porque você não me perguntou e nem pediu nada, sim ou não, não é resposta, pra mim não é; eu gosto do infinito que há entre isso e no infinito que há entre nós dois. Mas é só a gente, por isso eu pedi pra você não falar nada pra ninguém e poxa, você não falou. Ah... eu achei que você ia contar, mas não falou nada pra ninguém e isso me dá uma vontade de me arriscar, porque  mesmo que não seja como eu imaginei pra mim, de alguma forma, vai ser bom pra você. Mas o que me deixa na dúvida é o fato de em uma semana você ter dito "eu não vou começar uma coisa que eu sei que não dá certo" e dias depois você me falar que gosta mesmo de mim.
Eu juro, me arriscaria, mas ai você teria que me carregar. Teria que me ter pouquinho, me ter dividida, tem que aguentar minhas manias, minha arte e a minha intensidade, eu juro que te preparava pra isso, mas nem sempre funciona, mas eu só pedi pra você esperar porque eu quero cultivar em você, de onde sai essa música que eu gosto de ouvir, uma semente de mim pra que você aprendesse a cuidar de mim. Gato, eu to apaixonada, pra mim isso é doença, porque você não tem noção de como eu fico boba e esqueço tudo que eu sei fazer de bom, mas é uma das melhores sensações que existem. Eu gosto do que eu to sentindo, então no fundo eu tenho medo que você me decepcione. 

0 comentários:

Postar um comentário | Feed