sábado, 6 de agosto de 2011

Pedro.

Eu queria que você me abraçasse agora.
Abraça-me?
Abraça-me como se você abraçasse a você mesmo.
Eu quero sentir teu corpo envolver o meu e encontrar o seu mais uma seus.
Quero sentir sua respiração quente na minha pele, fazendo com que eu pense que ainda estou viva.
Se não quiser me abraçar eu não vou insistir, mas toca-me. Porque amanhã já não mais.
Amanhã já não mais saberá de mim.
Eu serei a foto do porta-retrato e o perfume espalhado pelo seu ateliê.
Eu queria que você saísse dele agora e entrasse aqui.
Entrasse aqui.
Eu queria não ter que acertar na gramática.
Eu quero.