02 agosto 2011

Aurélio.

De repente a tela ficou escura e meu reflexo apareceu nela. Eu queria bater uma foto para guardar aquela cena, tão bonita e te mostrar como eu fico quando penso em você.
Mas não, não daria nunca para isso ser feito. Porque você tem que ver a mim, e não o que eu criei.
Eu me sinto tão apaixonada por você, tão fascinada com a forma que você dilacerou meu peito. Foi tão rápido que quando dei por mim já estava feito e a coragem que eu não tinha, passei a ter.
Pensar em você é como atirar-se da janela do meu quarto andar e não morrer, porque você estaria com os braços na posição correta. Então, estar com você deve ser como quase ir à Sibéria e voltar ao simples ouvir das suas palavras saindo quentes da sua boca aquecendo os pensamentos gelados. Porque você é a matéria do bom-pensar.
Deixa eu dizer que amo você? Deixa eu fazer isso porque meu coração está apertado pedindo para que essas amarras o soltem. Deixa eu me apaixonar por você e fazer meu corpo tremer mais devagar só por ele saber que você sabe que essa paixão bebe minha alma. Bebe como se você me fizesse derreter e meu corpo todo fosse apenas um copo, cheio de mim, ao qual minha paixão vem e bebe lentamente, à espera de que você venha e não me deixe derramar.