07 maio 2011

"Você não tem nome, Eu tenho."

“E eu te respondo: sobras tu. Achas pouco?
Não me refiro à tua pessoa, refiro-me ao teu eu,
que transcende os teus limites pessoais,
mergulhando no humano.(...)
E o poeta quanto mais individual,
mais universal, pois cada homem,
qualquer que seja o condicionamento do meio
e da época, só vem a compreender e amar o
que é essencialmente humano.”
Mário Quintana